Felizes para sempre...

By domingo, maio 29, 2016


Um dia ofereceram-me um livro com uma dedicatória que dizia. “Disseste-me que querias ter uma casa cheia de livros. Aqui tens uma pequena ajuda para começares a tua biblioteca.” Coincidência, ou não, lembro-me bem da história e do livro. Devo ter lido a contracapa do “Cemitério de Pianos” de José Luís Peixoto várias vezes. Além disso, estamos a falar de um dos meus escritores favoritos que depois disso já tive o prazer de entrevistar. Não tive foi coragem de lhe contar esta minha história.


Tudo isto para dizer que enquanto não posso ter a minha casa cheia de livros, e não são as teimosas alergias que me vão impedir, há outras opções que me podem fazer continuar a sonhar com isso. The Literary Man é o hotel com mais livros do mundo. É em Óbidos e merece a visita de qualquer pessoa que goste de ler.






Já não me lembro de quantos livros me disse o proprietário que tinham no momento, provavelmente por estar tão impressionada com as estantes cheias até ao tecto. Talvez cerca de 50 000, mas certo é que o objectivo era até ao final do ano duplicarem o número. E claro que não resisti a fazer uma pergunta óbvia. No meio de tantos tesouros, não têm medo que alguém vos roube algum? E Telmo Faria respondeu como eu merecia: “Perguntam-me muitas vezes isso e eu respondo sempre que, se levarem algum livro, o pior que pode acontecer é alguém lê-lo.  


Entrando pelo antigo convento que agora é um hotel, temos à esquerda um espaço para os apaixonados pela cozinha. A balança não engana. À direita, outros ingredientes apimentam os amantes de boas histórias, com banda desenhada à mistura. Já na sala principal, dois sofás grandes convidam a um bom serão à lareira nos dias frios que podem ser ainda mais quentes com o bar de gin aberto até à meia-noite. Os cocktails são, também eles, obras literárias como a Lolita ou o Moby Dick.


A minha avó dizia, quando ainda sabia o que dizer, que lhe costumavam chamar a “papa-livros”. E eu gosto de pensar que tenho a quem sair. Adoro ler. Infelizmente tenho tido pouco tempo e, confesso, falta de paciência para o fazer. Mas este foi também um fim-de-semana com um lembrete para voltar aos good old days.


E se pensávamos que saindo do hotel, perdíamos a literatura de vista estávamos bem enganados. Óbidos continua com a ginjinha, mas as personagens principais da cidade medieval são hoje outras e toda a gente parece estar empenhada nesse sentido. Senão veja-se, há um mercado biológico que também é uma livraria, uma igreja que agora se chama livraria Santiago e até uma adega onde a literatura é o fim de boca preferido. Óbidos virou a página e espera que também vocês vão até lá escrever o vosso capítulo. E, ora pois, que sejam felizes para sempre.



R. de Dom João de Ornelas, Óbidos
262 959 214

You Might Also Like

1 comentários

  1. Já fui várias vezes a Óbidos, mas nunca tive o prazer de entrar neste hotel, primeiro porque não entrei em nenhum, não moro assim tão longe, fico-me pelo ir e voltar no mesmo dia. Obrigada pela partilha, adorei conhecer o hotel por dentro. Continua com momentos felizes.

    ResponderEliminar

Welcome to our website !