Lisboa menina e moça

By quinta-feira, novembro 08, 2012 ,



Lembram-se de ter escrito sobre devermos ser turistas nas nossas cidades? Sou pouco de falar sem razão de causa e o feriado serviu para cumprir com um dos meus mapas mentais. Quando visito algum sítio turístico preocupo-me em visitá-lo bem. Gosto pouco de viagens “tira foto e segue”, que é o mesmo que dizer “picar o ponto” no local visitado. Foi por isso que em Lisboa visitei apenas alguns locais, deixando a porta aberta para novos passeios. Começámos pelo miradouro de Santa Clara e no largo Sophia de Mello Breyner.



A cadela Kika pousou amavelmente para as fotografias, desconfiando provavelmente da imponente vista atrás do seu retrato. Contemplámos as vistas, os telhados e telhadinhos desordenados que conduzem o nosso olhar na direcção do rio. O quiosque está cheio de turistas. Cheio de risos e de brindes a uma tarde de inverno fria embora solarenga, aquecida pelos travos do bom vinho português. Satisfeitos, sentados com todo o esplendor de Lisboa ao alcance de uma miragem, brindam felizes, marcando os instantes, guardando as recordações.
Quanto a nós, este foi apenas o ponto de partida de uma longa caminhada pelas ruas desordenadas de lisboa. Passámos pelo Panteão nacional e depois descemos até Alfama e às ruas típicas de Lisboa.  Aqui parece que Lisboa parou no tempo. Ainda se vê muita miséria, embora disfarçada pelas populares mercearias ou pela roupa colorida estendida, por vezes retalhada. As velhinhas na janela observam mais um dia cheio de turistas e sorriem à passagem do elétrico amarelo, como manda a tradição, atolado até cima de senhores com objetivas nas mãos.


O problema destes dias de outono é que a luz se vai rápido. Anoitece demasiado cedo e parece que as horas voam. Apesar da sua fuga, descemos até ao largo onde está o miradouro, depois da sé. Um artista tenta a sua sorte, e há uns quantos estrangeiros que perguntam “how many”?. Fiquei sem ouvir o preço porque uns sons africanos atraíram-nos.


A música quente faz com que muita gente não resista a uns passinhos de dança. Eu própria sou capaz de ter feito um leve swing. São ritmos contagiantes, que enchem Lisboa, ao mesmo tempo que o fumo das castanhas pincela o inicio da noite. 


Embora o final que vocês possam ter idealizado para o meu dia tenha certamente sido outro, a verdade é que acabei no McDrive a comer um sundae de chocolate. E soube-me maravilhosamente bem.

You Might Also Like

3 comentários

Welcome to our website !