Be a man!

By quarta-feira, outubro 12, 2011




Sabemos que há diferenças genéticas: que vocês têm mais força, que nós ligamos mais aos detalhes, que vocês são mais práticos e que preferem lidar com os assuntos sozinhos para  reflectir no vosso espaço e à vossa maneira. Já nós, que odiamos esse “espaço / tempo” (a expressão deixo ao vosso critério, rapazes!), fazemos muitas perguntas e queremos falar do assunto, deixar tudo claro e  mais do que resolvido, na hora! Os homens são de Marte e as mulheres de Vénus, e vocês, homens, têm a vossa  própria forma de gerir os problemas  até porque passaram a vida a ouvir frases como não sejas uma menina, ou “sê homenzinho” e isso obriga-vos inconscientemente a tentarem ser fortes e a terem uma postura resistente com a qual, muitas das vezes, não querem, nem sabem, lidar, e a não quererem ser confrontados com os problemas, preferindo fugir ou isolar-se deles (resolvê-los à vossa maneira, sim claro! Não se exaltem, era isso que ía escrever!)

Não sei qual de nós está certo. A ciência ainda não provou nenhuma teoria sobre isto e dificilmente algum dia provará porque, além de não ter interesse, como estamos fartos de saber, para os seres humanos há poucas regras e mesmo as que temos apresentam demasiadas excepções. Mas o mais importante é que seja quem for que tem razão, é “de homem” admitir que se erra.

You Might Also Like

7 comentários

  1. Sabes Mia, acho que não somos nem melhores nem piores,apenas lutamos e pensamos de forma diferente e em nome de causas diferente,porque,embora feitos da mesma matéria, não sentimos o mundo da mesma maneira..
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Já não é assim tão linear. Em muitos casais os papeis, que tão bem descreves, invertem-se.
    Penso que já nada tem a ver com feitios, genes, educação, mas sim com o facto que hoje em dia é muito mais fácil desistir: desistir de uma relação, de uma actividade, de um desafio. É mais fácil partir para outra do que lutar por um pedido de desculpa, isto mesmo que seja só dizer a palavra, pois também se luta contra o orgulho, teimosia.

    Mesmo que tenhas razão, se achas que vale a pena e não queres levantar guerras, faz como os estados costumam fazer: um perdão à dívida e continuam com as relações como antes.

    ResponderEliminar
  3. Olá Karina! Concordo contigo ;) Beijinhos

    Bid, não podia estar mais de acordo, o facilitismo que assola as relações é assustador. Pouca gente luta ou cede por alguém. Adorei o teu detalhe sobre o que os estados costumam fazer, mas neste caso não dá para aplicar.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do texto e concordo contigo. O importa é que somos todos humanos, todos temos direito a errar e agir de forma diferente. No final o que conta é a nossa felicidade (e a de quem gostamos também) .

    ResponderEliminar
  5. Olá Sara! Sem dúvida, a felicidade acima de tudo! Obrigada pelo teu comentário! Beijinhos e bom fim de semana!

    Mia

    ResponderEliminar
  6. É de "homem", é de "mulher", é de toda a gente.... Admitir que se erra é uma qualidade independentemente do sexo da pessoa.

    Y
    blogedoy

    ResponderEliminar
  7. com concordo com Y e com a Karina.

    Uma coisa que nos chateia bastante é as "conversas" que as mulheres querem ter. O temos de falar normalmente não é coisa boa e para que fique tudo bem tendencialmente a regra é acenar com a cabeça e não dizer nada, porque depois lá vem a psicologia feminina a deturpar o que dizemos... ;)

    ResponderEliminar

Welcome to our website !