Au revoir realité!

By quinta-feira, outubro 06, 2011



Ontem fui finalmente ver o último filme do Woody Allen. O filme na sua ironia própria leva-nos a questionar se estamos melhor onde não estamos, ao mesmo tempo que nos faz viajar lado a lado com génios do passado. Esta é a história de alguém que não se encontra no seu mundo porque foge às expectativas, ao que todos considerariam óptimo e ideal. A viagem que a personagem principal faz para se encontrar, é também feita por quem vê o filme. Para os sonhadores, como eu, o presente é sempre insuficiente. Mas não basta fugir para outras épocas. Precisamos de nos encontrar no nosso tempo e na nossa vida e às vezes não é preciso fazer uma grande história:  “No subject is terrible if the story is true, if the prose is clean and honest, and if it affirms courage and grace under pressure”. E para que a nossa história não seja “Wonderful but forgettable“, como no filme o actor afirma, é preciso perder o medo e amar de verdade. 

O filme traz esse apelo ao amor verdadeiro, não apenas pelos outros mas pela vida, pelo mundo e por nós, enquanto põe em causa as nossas ilusões e a vontade que temos em ser iguais e banais, criticando a nossa ilusão. E até na cidade da luz, a tonalidade pode ser diferente, pois a chuva, normalmente incómoda, pinta as ruas e o rio, e  traz uma liberdade que só os apaixonados pela vida vivem.

E sendo este um filme repleto de cultura,  o seu estilo consegue não ser pseudo-intelectual, porque isso até está caricaturizado numa das personagens: o pedante. Mais do que nos livros, o saber está no viver, no experienciar, no estar em contacto. As pessoas viajam e não vêem mais do que o que os guias turísticos lhes dizem para ver, não entram em sentem, não cheiram, não saboreiam, não andam a pé. Fotografam freneticamente o Louvre e a Torre Eiffel mas não lhe captam a essência, e essa é a metáfora da nossa vida.

You Might Also Like

15 comentários

  1. já tinha vontade de ver, agora tenho mais :)

    ResponderEliminar
  2. Se o filme é assim tão bom quanto a tua maneira de descreveres o filme, irei vê-lo com toda a certeza!
    Fantástica descrição Mia..

    ResponderEliminar
  3. Olá Vio! Bem-vinda à Pegada! Depois diz se gostaste!Aviso que se gostares de Paris, é difícil não gostares! Beijinhos

    Karina, és uma querida! Muito obrigada! Não te esqueças de depois vir aqui dar a tua opinião! ;) Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Gostava de te ver a comentar The Help :)

    Keep going girl...

    ResponderEliminar
  5. Olá C! Como estou cheia de vontade de ver o filme que sugeres, acho que vais ter brevemente um comentário meu sobre ele.. Talvez hoje à noite vá ver ;) Beijinhos e obrigada

    ResponderEliminar
  6. Olá Mia.

    Tenho dois/três poemas escritos em Edinburgh que falam precisamente na necessidade de nos sentarmos e sentirmos o pulsar da cidade; dessa ou de qualquer outra.

    (como sempre bem escrito, Mia).

    ResponderEliminar
  7. Olá Gio, e o filme já viste? Acho que nesse caso vais gostar muito...Beijinhos e obrigada!

    ResponderEliminar
  8. pronto tenho de ver!!! Já o queria ver mas agora =D adorei o ultimo parágrafo!!*

    ResponderEliminar
  9. Acho muito bem, Hella! Depois já sabes que quero uma opinião por estes lados! Beijinhos e obrigada!

    ResponderEliminar
  10. aiai! Estás a falhar Gio! Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Vi no fim de semana e gostei bastante.

    ResponderEliminar
  12. ;) Ainda bem que gostaste João! Bem-vindo à Pegada! *

    ResponderEliminar
  13. Mia, depois tu acertas essas falhas. lol

    ResponderEliminar
  14. Sim, tenho uma entrevista em mãos não é Gio?

    ResponderEliminar

Welcome to our website !