Algures na nossa vida temos sempre aquele desejo de fazer qualquer coisa grande, significativa, que nos distinga. Eu, por exemplo, durante a faculdade quis ir para África com um projeto de voluntariado. Mas um pai galinha vetou a ideia e limitou-me as hipóteses. Mas nunca abandonei a vontade e gostava muito de o fazer um dia destes. Mas uma coisa é certa: Há muito trabalho à nossa volta!  No outro dia na missa o Frei Bento Domingues falava de “ajudar o próximo” mas chamava-nos à razão porque escolhemos muito bem os nossos próximos e, consequentemente, esquecemo-nos de ajudar…É por isso que hoje vos trago um projeto que pode ser de todos: os brincos SAPANA


A SAPANA trabalha na Índia com uma das tribos mais marginalizadas do país, a tribo Katkari que nem sequer pertence ao sistema de castas da Índia. porque é considerada uma comunidade criminosa e impura pelas outras castas; não detêm qualquer vínculo com o Estado e a sua qualidade de vida é extremamente reduzida - vivem em cabanas construídas com materiais rudimentares, sem saneamento básico, acesso a água potável ou electricidade. Além disso, têm um acesso reduzido à educação e fontes de rendimento pouco sustentávei o que conduz a inúmeros problemas sociais como a violência doméstica ou o alcoolismo. A SAPANA entrou nesta comunidade e tem vindo a trabalhar as competências desta tribo na tentativa de os capacitar, sem invadir a sua cultura e tradições.





Um dos projetos criados foram estes brincos de maneira a promover a sustentabilidade das mulheres que os produzem. Deste modo, conseguiram trabalhar o aumento das suas competências, mas também a sua autonomia financeira já que o valor angariado com a venda dos brincos é dirigido às mulheres.



A Helena lançou o mote e rapidamente nos alinhamos numa produção com mais três bloggers além de nós: a Silvana, a Carla Cunha e a Sofia para divulgar estes brincos (ainda por cima tão giros!) feitos pelas mulheres da comunidade e que custam apenas 3,50€. Mais do que os 3,50€ é o trabalho que lhes damos. Lembram-se daquela conversa de que em vez de se dar as casas, devemos dar os tijolos e ensinar a construir? Era capaz de ser uma coisa diferente que se dizia, mas vocês percebem a ideia. Aqui, estamos a permitir que estas mulheres se tornem a cada dia um pouco mais independentes e que se apercebam do seu valor. Pouco a pouco. Sabemos que há tanto pela frente, mas pelo menos não estamos de braços cruzados agarrados a desejos de “um dia". É um bom presente para oferecerem e, se falarem disto a duas ou três pessoas, o impacto pode ser muito grande.


As fotos e a edição são do Luís Nunes que teve uma paciência de santo para aturar a minha neura neste dia de shooting.







Email geral: hello@sapana.org

Comunicação: com@sapana.org
Web: http://sapana.org/pt
Tel: 914 796 587/ 912 137 802




O primeiro licor que provei e gostei foi Carolans. Bem que o meu avô me quis introduzir ao vinho, mas foi a minha avó que levou a melhor ao dar-me a provar a única bebida que gostava. Por isso, sempre que penso em Carolans lembro-me dela assim. Não que não esteja viva, porque está, felizmente, mas lembro-me dela lúcida, alegre, com uma vivacidade que hoje não lhe consigo encontrar. A propósito do dia da mulher e, depois de ver tanta tinta corrida sobre os nossos direitos, resolvi recordar-me das mulheres da minha vida e das experiências que me  marcaram. Por isso, resolvi fazer este passatempo que oferece uma garrafa de Carolans Irish Cream com notas de caramelo e baunilha e ainda um voucher para uma experiência de Spa e Beleza (para uma ou duas pessoas) da Odisseias para que beber este licor seja sempre sinónimo de um momento especial e vosso.


Para participarem só precisam de:
1. Fazer um like na página de facebook da Pegada Feminina ou no instagram
2. Fazer um like na página de Carolans
3. Deixarem os dados solicitados no formulário abaixo




O passatempo termina no dia 23 de Março e será escolhido por sorteio. Boa sorte a todos!

Há quanto tempo não põem os pés num teatro? Contra mim falo que é raro ir e a vontade nem sempre dita a ação. Mas que fazemos mal, fazemos. Ouvimos frequentemente falar do estado dos nossos artistas quando, enquanto consumidores, somos os principais culpados do que passa na televisão. Mas assuntos chatos à parte, íamos no teatro... Fui na segunda-feira assistir à peça da Ana Bola no Teatro Villaret "Sem filtro" que é um monólogo de uma atriz tão conhecida e tão querida dos portugueses que se vê confrontada com a falta de trabalho, nomeadamente nas estações de televisão. Aos 62 anos de idade, com 40 anos de profissão e, tendo sido atriz de teatro, televisão, autora de séries, apresentadora de programas e jurada de concursos, sente que lhe restam poucos recursos... Verdade ou ficção? Pouco importa, nesta peça Ana Bola faz um casting para um programa de talentos que vai da dança à culinária e que critica, sem paninhos quentes ( na verdade são mesmo “panos enchardos na tromba”) uma realidade cada vez mais nítida em Portugal: a total falta de respeito pelos artistas. Frequentemente substituídos por verdadeiros atentados ao talento (barbies com silicone e loubotins de sola pintada de vermelho), resta muitas vezes aos nossos talentos uma participação por simpatia em "programasitos". Ana Bola critica mas sempre com humor, como é seu apanágio, e se há mulher que pode fazê-lo é ela! Recomendo que agendem uma ida ao teatro para breve.




T. 213538586
Lisboa, Teatro Villaret - Avenida Fontes Pereira de Melo, 30A.
02-03 a 27-04Segunda às 21h30 . 
10€


Por várias razões, não interessa ao caso especificar as tendências sociológicas, hoje todos somos fãs de decoração. Decoramos e temos brio em tornar os nossos interiores práticos mas confortáveis. Em suma, apaixonámo-nos por esta arte de “nos fazer sentir bem nas nossas casas”. E ainda bem, mas acabamos por comprar todos as mesmas coisas e damos por nós a receber pessoas em casa que nos dizem: “Tenho uma mesa igual, um tapete, uma cómoda, as velas, ah e os pratos!” E não tem mal, atenção! Longe de mim criticar, porque o que é facto é que a acessibilidade dos preços democratizou a atividade e as nossas casas são hoje muito mais facilmente decoradas e bonitas. No entanto, ainda há quem goste de fazer umas extravagâncias para ter esta ou aquela coisa personalizada ou pelo menos mais “sua”. Sou dessas pessoas e quando na passada sexta-feira tive o prazer de ir conhecer a nova loja da Pura Cal em Lisboa, lembrei-me disto, de que vale a pena  apostar nestes pequenos prazeres e nos detalhes.
100% algodão, Dimensões 45x45cm - 49,20€ 































Vários tamanhos e preços. Tapete 155X120 cm - 129,00€ 
De facto, apeteceu-me trazer a loja às costas para casa, diretamente, sem tirar nem pôr. A marca portuguesa Pura Cal já existe há alguns anos, mas agora tem um novo espaço no Lx Factory que é um atelier, loja, mas também uma galeria onde se realizam projetos de arquitectura e onde o cliente pode aconselhar-se. Além dos artigos Pura Cal, há espaço para outras marcas que se cruzam nos conceitos com a insígnia e ainda exposições de jovens criadores. Esta é uma marca atenta aos pormenores do passado, trazidos em detalhes modernos e futurísticos. Mais do que falar, convido-vos a visitar e para matar já a curiosidade, fica o site e algumas fotos.


130€ (cadeiras antigas restauradas)
Sofá em Capitoné Anos 70




Pura Cal, espaço LX Factory
Rua Rodrigues Faria, 103
LX Factory, Espaço 0.1D.4
1300-501 Lisboa

De terça a sábado, das 11H às 20H, e domingo, das 12H às 17H.

O dia dos namorados enjoa, chateia, mas quer se queira quer não, mexe com as pessoas e acaba sempre por se comprar qualquer coisinha para não se ficar mal na fotografia. Agora, a diferença não está em dizer que não se liga, mas sim na forma como se celebra, como se oferece e na continuidade que se dá. Um estudo da Odisseias revela que cada português gastou entre 20 a 50 euros no dia dos namorados este ano, mas vale a pena fazer mais do mesmo? Oferecer o mesmo perfume que se compra todos os anos, o ramo de flores comprado à pressa numa esquina onde estão 50 iguais preparados para os homens esquecidos? Acima de tudo interessa (cá para mim) o motivo e, pode ter passado o dia, mas vão sempre a tempo para fazer algo especial. Ficam as minhas ideias!



1) Já a dama e o vagabundo partilhavam esparguete num jantar à luz das velas, por isso podem sempre oferecer um jantar num sítio especial (naquele lugar onde se imaginam só com ela, onde comemoram o primeiro trabalho, ou onde tiveram o primeiro date).  Podem sempre deixar os bilhetes naquele sítio que ela mexe sempre (como o kit de maquilhagem). "Jantas comigo esta noite?". Caso queiram criar novas memórias a Zomato selecionou 50 restaurantes românticos. 

2) Aquele batom… Sabem que todas as mulheres gostam daquele batom  'xpto'. O batom que as torna sedutoras. Mas desenganem-se homens, porque não chega! Acrescentem um toque pessoal, senão é só um mero batom... uma bolsa bonita com um cartão dentro que fale dos seus beijos ou uma cesta com o batom lá dentro que tenha também suspiros e ingredientes que vos façam lembrar os beijos dela (canela, morangos, malaguetas, etc).

3) Sapatos. Tal como as jóias, as mulheres não lhes resistem. Mas se quiserem arriscar num par de sapatos, deixem um sapatinho solto algures (como se ela fosse a vossa cinderela)...e uma abóbora! A nova coleção da Aldo tem umas sandálias lindas, que ficam bem em qualquer pé.

4) Chocolate. Se a vossa mulher gosta de chocolate então, este é um bom caminho. Um fondue de chocolate e frutas. Preparem um jantar romântico, um bom vinho e surpreendam-na com umas trufas de chocolate (ou se não quiserem arriscar: com nutella).


5) Os homens dizem que as mulheres são mais bonitas ao acordar,  por isso podem sempre oferecer-lhes um pijama que signifique que querem dormir sempre ao seu lado. A nova coleção da women'secret dá uma ajuda.

6) Se quiserem oferecer um relógio, para que ela deixe de se atrasar, mais vale criarem uma versão mais romântica de que é para o tempo passar mais rápido até voltarem a vê-la. Espreitem a coleção de relógios da Tous e inspirem-se nas tender stories.



7) GPS - para que nunca se perca e porque ela é vosso norte.

8) Um livro (aqui devem mostrar que a conhecem bem…) ou então ofereçam-lhe um romance que a faça sempre sentir-se saída de um conto de fadas. Personalizar com uma dedicatória é o mínimo...

9) Uma caixa com bolachas para acompanharem com o livro (ou não). Jane Eyre, Anna Karenina, Romeu e Julieta: a versão do dia dos namorados da Dan Cake está  um amor e serve como decoração.



10) Um verniz porque as mãos dela são de fada. Mas aqui adicionem um creme de mãos, uma lima gira. A coleção da Essie para o dia dos namorados tem duas cores muito fáceis de gostar...e românticas!

11) Um kit de viagem porque querem passar a vida a viajar com ela (opção low cost): shampoo, condicionador, body cream e gel de banho... Tudo para continuar linda e maravilhosa onde quer que decidam ir. (0,99 cêntimos cada um destes frasquinhos) no Minipreço. 

12) Um álbum.. este dá mais trabalho, mas podem colocar só uma ou duas fotos e comprometerem-se a tirar mais fotos (como ela gosta) e a revelar. A IKEA tem um álbum que permite personalizar com autocolantes, por exemplo. 

13) Um quadro de ardósia. A This&That no Príncipe Real tem um em forma de coração muito querido para colocar nas portas. 

14) Espelho, espelho meu. Não há ninguém mais bela do que ela... 

A ideia é que sejam românticos, sempre que possível. Não há nada mais valioso numa relação do que dar ao outro, surpreender, relembrar porque se gosta tanto daquela pessoa. Pode dar um bocadinho de trabalho, mas compensa tanto...


Há muito tempo que não andava num comboio regional (e muito menos assim tão cedo!). E, enquanto o sono não me abate, porque com menos de quatro horas de descanso, sinto a cabeça pesada, as costas doridas e um frio que se explica nas palavras da senhora de caracóis da frente: "Não me lembro de um ano com temperaturas destas", vou tentar escrever qualquer coisa para me lembrar desta viagem. O comboio marca 4 graus no exterior. Aqui, estarão certamente alguns mais, mas a cada vez que as portas se abrem nas estações de terras com nomes que nunca imaginámos, é como se todo o esforço do aquecimento colectivo se fosse; e vem um frio debaixo das cadeiras... Junto as pernas (com alguma força) para tentar contrariar as entradas de ar, mas nem por isso resulta. Como é que eu dantes aguentava andar sem um sobretudo no inverno? Nos tempos da secundária em que achava que estar na moda era usar casaquinhos fininhos em pleno inverno com tops que mostravam a barriga... Não perco muito tempo a pensar nisso, embora saiba que hoje seria incapaz (nem que me pagassem!) até porque agora só com camadas e camadas de roupa e mesmo assim... Também hoje demoro imenso tempo a mergulhar na praia e dantes passava a vida na água. Será que à medida que crescemos a temperatura do corpo diminui? Talvez o tamanho do corpo deslocalize o calor...Deve haver alguma teoria sobre isto. Para o meu lado entraram, agora, três miúdos que vão para a escola. O que parece o Tiago Bettencourt em ponto pequeno fala das três horas de sono que tem em cima e que ainda vai fazer educação física... Respondo-lhe solidariamente com os olhos (e os papos que os tornam pequeninos). Agora sim, começa a amanhecer. Já me esquecia de como era bonito visto assim de uma carruagem velha. O outro miúdo prefere jogar PlayStation daquelas portáteis a ver o sol a nascer, no meio de um céu carregado e escuro que ameaça chuva... Talvez se tenha cansado de ver todos os dias ou não perceba a importância do nascimento de um novo dia; o que isso significa a partir de uma certa altura na vida...Estou quase, quase a chegar, por isso vou terminar este meu relato com um bom dia e um desejo de força para esta semana: vamos precisar dela!

Daqueles vícios que acabam sempre por voltar nos momentos de maior pressão. Se souberem truques para não roer as  unhas, eficazes, por favor… digam-me. No meu caso, uma das poucas coisas que funciona é ter as unhas bonitas, por estúpido que possa parecer. Porque normalmente quando as arranjo, não tenho coragem de as estragar; já quando o verniz começa a estalar também tenho tendência para ajudar nos danos, pois claro. Enfim, certo é que não é por falta de opções giras porque há cada vez mais vernizes de boa qualidade conjugada com uma enorme variedade de cores. E, como diz a minha esteticista, "Não é admissível que traga as unhas nesse estado!".
 



É o caso da Opi, uma marca que conheci recentemente e que, apesar de ser ligeiramente cara (14,90€), vale a pena até pela quantidade do verniz (15 ml quando a maioria das marcas tem entre 8 a 10ml),  já para não falar da qualidade e diversidade de tons que há nas prateleiras (ora espreitem a coleção das 15 shades of grey, ideal para quem vê a vida em vários tons de cinzento!). Vendem-se na Perfumes e Companhia e podem pedir de presente no dia dos namorados, ou oferecerem a vocês mesmas.  A coleção que fotografámos é de Inverno, chama-se Nordic Collection e é composta por 12 tons. Os meus preferidos são o púrpura e o caramelo…

Este editorial foi fotografado no lindíssimo e histórico Hotel Inglaterra  (mesmo ao pé do Casino Estoril) e aproveitámos os tons suaves das paredes da zona renovada, para contrastar com as cores alegres desta coleção. Também das camisolas, da Relish, procurámos  que fossem lisas e uniformes, para que o verniz sobressaísse de forma a que nos fosse possível passar a sua cor para as fotografias. Espero que gostem!


Welcome to our website !